clicRBS
Nova busca - outros

Notícias

Conteúdo: floripatequerobem  | 22/03/2014 12h39min

"O cidadão precisa cobrar e participar", aponta membro do movimento sobre Plano de Metas para a cidade

Carolina Andrade considera a proposta enviada à Câmara de Vereadores clara e objetiva

Carolina Andrade, do Movimento Floripa Te Quero Bem e coordenadora do Instituto Comunitário Grande Florianópolis (ICom), considera importante que a população tenha acesso ao Plano de Metas do para a cidade, para saber o direcionamento que a prefeitura está tomando. Confira a entrevista:

Diário Catarinense — Como o movimento avalia o conjunto de metas apresentado?

Carolina Andrade
— Nós recebemos hoje as metas, então a gente ainda não pode fazer uma avaliação, seria muito precipitado, e poderia levara uma avaliação equivocada. De forma geral olhamos as metas, há várias interessantes e outras metas poderiam ser melhores. Mas a gente percebe que o mais importante é a as metas terem sido feitas de forma clara, todas estão bem específicas, está muito claro qual é a proposta. Na verdade é importante ter um conjunto de propostas para saber o direcionamento que a prefeitura está dando. É um salto qualitativo e muito significativo em relação à última gestão, de população ter a acesso às metas da prefeitura. Desse formato apresentado está fácil de entender.

DC — O movimento vai monitorar se as metas estão sendo cumpridas?

Carolina —
O movimento se divide em duas frentes. Uma parte mais técnica, focada no Floripa Cidadã que é o observatório que está sendo criado e montado em parceria com a Esag/Udesc (Faculdade de Administração da Universidade do Estado de Santa Catarina) e lá será feito o acompanhamento técnico do avanço do plano de metas. Além disso, ele terá também a parte de monitoramento de indicadores da cidade, já que a gente fez o levantamento dos indicadores em 2012. Outra frente é a de mobilização que fica com o movimento Floripa Te Quero Bem, e nessa frente o papel do movimento é oferecer seminários para o debate com a população, para avaliar o quanto estamos avançando, num olhar mais amplo. E pensar os desafios da cidade, o quanto avançamos em relação a 2012. É uma mobilização da sociedade civil mesmo. Mas acho que ainda tem que haver o papel do cidadão. Não é só cobrar. Qual é o nosso papel? O que empresas, universidades. ONGs estão fazendo pela cidade?

DC — Quais metas a senhora destacaria?

Carolina —
As metas de educação, porque elas estão relacionadas a grandes desafios que a gente apontou no diagnóstico do desafio. Tem sobre o atendimento da demanda de crianças de 0 a 3 anos, que tem um gap muito grande em Florianópolis é o principal problema de oferta de educação e tem ainda a melhora da educação pela aumento do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) me todas as escolas. Parece que ficou bem claro para eles o diagnóstico que fizemos da cidade.

: :AS METAS ::

::Eixo 1: Compromisso social::

- Ampliar 4.000 vagas no ensino infantil, construindo 26 novas creches.

- Permitir matrícula em período de verão em 20 creches.

- Aumentar para 6.4 o IDEB das séries iniciais e 5.2 nas séries finais do ensino fundamental

- Construir 2 CIEB´s (Centro de Inovação da Educação Básica).

- Oferecer 3 mil vagas no ensino fundamental integral

- Construir 44 academias de ginásticas e oferecer instrutores

- Criar serviço Remédio em Casa

- Construir oito e reformar 20 centros de saúde

- Criar duas UPAs da Criança

- Construir 500 moradias sociais

- Criar conselho tutelar no Sul da Ilha

- Aumentar em 30% efetivo da Guarda Municipal

- Expandir a Cobertura de Saúde da Família para 95%, no município de Florianópolis até 2016.

- Implementar o projeto Saúde do Trabalhador, mantendo equipes de Saúde da Família itinerantes nas escolas.

- Atender 85% dos exames e consultas especializadas em um prazo inferior a 90 dias.

- Criar o serviço SOS Social, para a proteção de pessoas em situação de risco.

- Ampliar o sistema de proteção social.

- Implantar o Projeto Viva Terceira Idade.

- Realizar 15.000 abordagens de fiscalização de trânsito (Lei Seca).

::Eixo 2: Desenvolvimento da Cidade::

- Construir o teleférico no Morro da Cruz

- Construir a ciclovia da Osni Ortiga

- Construir Anel Viário em volta ao Morro da Cruz, com faixa preferencial de circulação de ônibus. (BRT + CICLOVIA)

- Construir elevado do Rio Tavares

- Revitalizar a Ivo Silveira ( BRT + CICLOVIA)

- Revitalização da Rua Padre Rohr.

- Ampliar a integração com cartão nos pontos de ônibus.

- Montar a Central de Inteligência do Trânsito para monitorar em tempo real o sistema de trânsito da cidade

- Revitalização do Terminal de Capoeiras, para integração do transporte intermunicipal

- Implantação do AquaVia Gastronômica propiciando transporte para Lagoa, Costa da Lagoa e Barra da Lagoa

- Construir um crematório

- Aumentar para 65% a cobertura no saneamento básico

- Regularização fundiária de dois mil terrenos

- Revitalizar o entorno da Ponte Hercílio Luz

- Revitalizar a Orla do Bairro José Mendes

- Criar ciclofaixas de domingo em ruas de lazer

- Projeto Viva Praça, construindo 26 praças

- Requalificar o Centro Histórico

- Revitalizar o aterro da Baía Sul

- Ampliar 20 quilômetros do sistema cicloviário

- Construir uma capela mortuário no Continente

- Reestruturar o Procon do Continente

- Construir o Mercado Público do Continente

- Fazer 48 edições do Empreendedor no Bairro

- Capacitar 10 mil pessoas para empregabilidade

- Criar serviço de inspeção para certificar produtos de origem animal

- Criar quatro núcleos de oportunidades

- Aumentar o número de feiras de artesanatos

- Disponibilizar 500 barracas de feiras padronizadas

- Criar o selo de ônibus do turismo

- Desenvolver marca turística da cidade

- Fazer quatro eventos anuais: Fenaostra, Evento Náutico, Festival de Inverno e Natal

- Criar duas centrais de atendimento ao turista

- Disponibilizar 20 banheiros químicos em pontos turísticos

- Criar observatório do de monitoramento do turismo

- Manter e fortalecer a Maratona Cultural

- Promover concursos para fomentar 189 projetos de artistas locais de todos os 16 segmentos reconhecidos pelo Conselho Municipal de Cultura.

- Consolidar a sustentabilidade ambiental no município de Florianópolis por meio do Licenciamento Ambiental .

- Aumentar para 20% o percentual de resíduos destinados para reciclagem.

- Ampliar em 23,81% a frota de veículos de limpeza.

- Implantar duas novas centrais de beneficiamento dos resíduos de podas.

- Expandir a coleta seletiva de vidro utilizando a rede de eco pontos em todas as regiões da cidade.

- Implantar a rede de pontos de coleta para entrega voluntária de lixo - Ilhas Ecológicas.

- Ampliar em 10% da rede de parceiros para educação ambiental.

- Equipar as intendências com veículos, retroescavadeira e caminhões.

::Eixo 3: Governança::

- Descentralizar a estrutura do Pró-cidadão.

- Implantar o Portal Prefeitura em Casa.

- Criar o Conselho da Cidade.

- Criar o Gabinete Digital

- Realizar quatro edições do Orçamento no Bairro.

- Realizar 80 edições do Prefeitura no Bairro.

- Alocar equipe de Guardas Municipais para realizar 30.000 reuniões e visitas às escolas municipais.

DIÁRIO CATARINENSE
Flávio Neves / Agencia RBS

Integrante do movimento defende participação ativa da população
Foto:  Flávio Neves  /  Agencia RBS


Comente esta matéria

Notícias Relacionadas

22/03/2014 12h24min
"Quando há metas, há aumento da pressão", diz prefeito de Florianópolis sobre Plano de Metas para a cidade
21/03/2014 16h44min
Prefeitura entrega Plano de Metas de Florianópolis à Câmara de Vereadores

_________________________________

Folheie o caderno lançado pelos jornais do Grupo RBS




_________________________________

Entidades sociais


Conheça algumas ONGs e OCIPs que lutam pela melhoria de Florianópolis


Grupo RBS  Dúvidas Frequentes | Fale Conosco | Anuncie | Trabalhe no Grupo RBS - © 2011 clicRBS.com.br • Todos os direitos reservados.