clicRBS
Nova busca - outros

Indicadores Econômicos

Página inicial > Glossário

Glossário

S

Sala de negociações
Local adequado ao encontro dos representantes de corretoras de valores e à realização, entre eles, de transações de compra e de venda de ações/opções, em mercado livre e aberto.
Saldo comercial
Resultado das exportações menos as importações. Se o saldo é positivo, chama-se de superávit; se negativo, chama-se de déficit.
Secex
Secretaria de Comércio Exterior.
Securitização
Operação financeira que faz a conversão de um empréstimo (dívida) e outros ativos, em títulos negociáveis (securities). Chamamos de securitização o ato de, por exemplo, pegar um empréstimo, dividir em partes, transformar em títulos negociáveis e vender estes títulos a investidores.
Securitização de recebíveis
É a transformação de um recebível (um título cujo valor será recebido num momento futuro) em títulos negociáveis para vendê-los a investidores. Um dos objetivos da securitização de recebíveis é a redução do risco da carteira de investimentos, ao mesmo tempo que aumenta a possibilidade de rentabilidade para o investidor.
Segmentação
Separação e classificação por algum critério pre-estabelecido. Por exemplo, a segmentação dos fundos de investimento do banco é feita por grau de risco.
Segunda linha
Jargão utilizado no mercado financeiro para caracterizar um tipo de ação. Ações de segunda linha são aquelas que apresentam menor liquidez nas bolsas de valores.
Segurado
Pessoa física ou jurídica, em nome de quem se faz o seguro e que se compromete a pagar um prêmio à seguradora.
Segurador
Empresa legalmente constituída para assumir e gerir riscos, devidamente especificados no contrato de seguro. É quem paga a indenização ao segurado ou aos seus beneficiários, no caso da ocorrência de sinistro.
Seguro
Contrato em que uma das partes (segurador) se obriga para com a outra (segurado), mediante o recebimento de uma importância estipulada (prêmio), a indenizá-la de um prejuízo (sinistro), resultante de um evento futuro, possível e incerto (risco), indicado no contrato.
Selic
Criado em 1979, o Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) destina-se ao registro de títulos e de depósitos interfinanceiros por meio de equipamento eletrônico de teleprocessamento, em contas gráficas abertas em nome de seus participantes, bem como ao processamento, utilizando-se o mesmo mecanismo, de operações de movimentação, resgate, ofertas públicas e respectivas liquidações financeiras.
Serpro
Serviço Federal de Processamento de Dados.
Shareware
Programa criado por autor independente. Pode ser utilizado com liberdade por qualquer pessoa, durante um determinado período, antes de ser adquirido. Na maioria das vezes, esses programas exibem, de tempos em tempos, uma mensagem avisando que ele deve ser registrado, pagando-se uma taxa ao seu criador. Outros tipos de sharewares têm tempo de vida limitado. Depois de expirado o limite de teste, só funcionam com uma senha, obtida junto ao autor do programa mediante o pagamento de uma taxa de registro.
Sinistro
Realização do risco previsto no contrato de seguro causando danos materiais ou pessoais ao segurado ou a seus beneficiários. Ocorrência do risco, cujas conseqüências economicamente danosas estejam cobertas pela apólice. Pode ser total ou parcial.
Sisbacen
Sistema de Operações e Controle do Banco Central. É o instrumento de comunicação computadorizado do Banco Central com as instituições financeiras, que, por sua vez, têm seus computadores conectados a esse sistema. Recebem informações do BC e enviam dados sobre suas operações financeiras e cambiais.
Sisbex
Sistema de negociação secundária de títulos públicos da Bolsa do Rio de Janeiro.
Site ou website
É um documento em HTML acessível via internet.
Small caps
Ações com baixa liquidez, também conhecidas como ações de segunda linha.
Smart card
É um cartão de crédito que contém um chip que o permite agregar novas utilidades, como uma agenda eletrônica onde você pode armazenar dados pessoais.
SND (Sistema Nacional de Debêntures)
Integra parte do sistema da Câmara de Custódia e Liquidação (Cetip) e sua função é manter registros e cadastros de todas as debêntures emitidas e negociadas no mercado sobrevalorização (quando determinado ativo está valendo mais do que seu valor real).
Sobras de subscrição
Direitos referentes ao não exercício de preferência em uma subscrição.
Sociedade anônima
Empresa que tem o capital dividido em ações, com a responsabilidade de seus acionistas limitada proporcionalmente ao valor de emissão das ações subscritas ou adquiridas.
Sociedade corretora
Instituição auxiliar do sistema financeiro, que opera no mercado de capitais com títulos e valores mobiliários, em especial no mercado de ações. É a intermediária entre os investidores nas transações em bolsas de valores. Administra carteiras de ações, fundos mútuos e clubes de investimentos, entre outras atribuições.
Sociedade distribuidora
Instituição auxiliar do sistema financeiro que participa do sistema de intermediação de ações e outros títulos no mercado primário, colocando-os à venda junto ao público.
Sociedades seguradoras
Empresas que têm como atribuição administrar eficientemente os seguros que lhes são confiados. Operam na aceitação de riscos de seguro e respondem junto ao segurado pelas obrigações assumidas. Atuam respeitando a política traçada pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP).
Software
Programa de computador, composto por uma seqüência lógica de instruções, que é interpretada e executada por um processador.
S&P 500
Índice elaborado pela consultoria americana Standard & Poor's, que reflete o desempenho na Bolsa de Valores de Nova York. Um comitê da Standard & Poor's elege as 500 companhias líderes nos setores mais importantes da economia norte-americana para compor este índice. Juntamente com o Dow Jones, o S&P 500 está entre os indicadores mais usados para acompanhar o mercado de capitais dos Estados Unidos.
Spam
Mensagem eletrônica não-solicitada enviada em massa.
Split
Elevação do número de ações representantes do capital de uma empresa através do desdobramento, com a correspondente redução de seu valor nominal.
Spread
É a diferença entre o preço de compra e o preço de venda de um ativo ou a diferença de preço entre os meses de vencimento de um contrato.
Spyware
São programas espiões que monitoram tudo o que os internautas fazem na máquina.
Straddle
Compra ou venda, por um mesmo investidor, de igual número de opções de compra e de venda sobre a mesma ação-objeto, com idênticos preços de exercício e datas de vencimento.
Streaming
Tecnologia que permite o envio de informação multimídia por meio de pacotes, utilizando redes de computadores, sobretudo a internet.
Subscrição
Lançamento de novas ações por uma sociedade anônima, com a finalidade de obter os recursos necessários para investimento.
Subscrição de ações
É um direito estendido aos acionistas para aquisição de ações da empresa, quando esta decide emitir novas ações para aumentar seu capital. O preço e prazo oferecido aos acionistas são pré-estabelecidos.
Sucess Fee
É sinônimo de taxa de performance. Percentual cobrado pelos bancos sobre uma parcela da rentabilidade do fundo de investimento, que exceder a variação de um determinado índice previamente estabelecido. Por exemplo, se a taxa de performance é de 25% sobre o IGP-M, significa que este percentual será cobrado sobre os rendimentos que ultrapassarem a variação do IGP-M no período.
Súmula da Andima
É a publicação da Andima que contém toda a legislação referente a produtos, ativos e operações específicas do mercado financeiro. São atualizadas à medida que a legislação é modificada. Nesta súmula estão inclusos, entre outros, os seguintes títulos: swap, derivativos, debêntures, notas promissórias.
Superávit comercial
Quando o valor das exportações supera o valor das importações de um país.
Superávit primário
É o valor que o governo gasta a menos do que arrecada, excluído do cálculo a dívida pública.
Suporte
Termo usado pelos analistas técnicos. Analisando um gráfico, percebemos que ele apresenta topos e fundos. A esses fundos, é dado o nome de suporte. Uma ação atinge o suporte quando as compras feitas pelos investidores são fortes suficientes para interromper o processo de queda durante algum tempo e, possivelmente até revertê-lo. É o ponto onde as compras estão superando as vendas.
Swap cambial reverso
No leilão de contratos de swap cambial reverso, as instituições financeiras que compram esses contratos recebem uma taxa de juros. O Banco Central, que vende os papéis, ganha a variação cambial do período de validade dos contratos. Esses títulos são chamados de "reversos" porque o mais comum é o Banco Central receber uma taxa de juros e pagar a variação do câmbio. Nos contratos de "swap" (troca, em inglês), cada uma das pontas que o negociam se compromete a pagar a oscilação de uma taxa ou um ativo (no caso do contrato cambial, as mudanças no dólar). A colocação desses contratos no mercado pelo Banco Central equivale à compra de dólares no mercado futuro. Por isso, a moeda americana sobe quando a instituição faz o leilão. É como se houvesse aumentado a demanda pela moeda americana.
Swap de crédito (Crédito default)
Derivativo que tem como objetivo a proteção contra o risco de crédito de uma contraparte.
Grupo RBS