Guia de Saúde em Santa Catarina | hagah SC

Encontre tudo que você precisa para sua saúde no hagah. Clínicas, hospitais, médicos, cirurgia plástica, exames, farmacias, dentistas e muito mais em Florianópolis e em SC.

Buscar por saúde em Santa Catarina:
 

Notícias

Vídeo com imagens de Zezinho treinando no Arsenal vaza na internet

Jogador fez um teste de 10 dias no clube inglês em maio

Gabriel de Aguiar Izidoro  |  gabriel.izidoro@pioneiro.com

Maio, entre os dias 10 e 20. Embora se aproxime o fim do inverno, é uma manhã fria nos arredores de Londres, Inglaterra. O francês Arséne Wenger dá por encerrado o treino do Arsenal. Após o banho, os jogadores reúnem-se para almoçar no refeitório, onde os brasileiros Denilson e Eduardo da Silva, atacante naturalizado croata, oferecem um lugar na mesa para o moleque de Uruguaiana que veio fazer teste. À vontade, o meia de 17 anos do Juventude constata que a boa recepção não se limita aos compatriotas: 

— O Fàbregas é gente boa.

Zezinho conheceu o capitão de um dos maiores times do futebol mundial e titular da seleção da Espanha, campeã europeia, durante o período de 10 dias de estágio em que foi um Gunner – equivalente de papo no Arsenal. Para consumo externo, do outro lado do oceano, em Caxias do Sul, ele gozava uma folga oferecida pela direção alviverde após retornar do Chile com o título sul-americano conquistado com a seleção brasileira sub-17.

Assista ao vídeo do treino:




O despiste começou a cair quando um vídeo de parte do teste no centro de treinamentos do clube inglês vazou no site YouTube. Nos 32 segundos de imagens, o garoto toca bola vestindo o moleton vermelho da equipe, enquanto é orientado por um auxiliar e observado por Wenger.

Surpreso com a descoberta, Zezinho até tentou negar, quando perguntado, ontem à tarde. Mas acabou confessando a viagem em companhia do empresário Augusto Nogueira, do olheiro do Arsenal para o Brasil e do vice-presidente do Juventude para categorias de base, Ely Scalabrin Júnior. 

— Falaram que eu fiquei 10 dias de folga... Fiquei nada! Fiquei trabalhando lá.

Por trabalhando, entenda-se: realizando exames médicos, físicos e, claro, treinando com os mesmos caras que ele conhecia apenas por Playstation. 

— Até achava que nem iriam tocar pra mim, mas não teve nada disso. Me passaram a bola, eu toquei de volta, normal. Todos me trataram bem. Tem aquele lateralzinho... O... Click? (o lateral-esquerdo francês Gael Clichy), que é gente boa. O Van Persie é bem gente boa também... E o Denilson e o Eduardo me ajudaram bastante a entender o que os outros falavam.

Não só Zezinho. Os brasileiros versados no idioma de Shakespeare também prestaram socorro a Martinez, goleiro da seleção sub-17 da Argentina que levou um gol do juventudista na decisão por pênaltis em que o Brasil faturou a taça sul-americana e que estava no Arsenal pelo mesmo motivo naqueles dias. Mas, embora tenha sido grande, a língua não foi a única diferença percebida pelo candidato na experiência. 

— Lá não tem coletivo. É só dois toques com goleirinha e campo reduzido. Bem rápido, dois toques, passe forte. Terminou, toma banho e vai pra casa. Não tem ficar de resenha no vestiário. E também não tem concentração. Só em jogos muito decisivos, valendo título, coisa assim.

De todos os trechos de diálogo com legenda, o que Zezinho guardou com mais atenção veio do técnico. 

— Ele disse que havia gostado muito de mim e que esperava me reencontrar em breve.

Mapa do Site | Dúvidas Frequentes | Fale com o hagah | Anuncie

© 2006 - 2013 hagah.com.br

Todos os direitos reservados

Grupo RBS