clicRBS
Nova busca - outros
Chat
Digite seu apelido:

Escolha a sala:
Tempo
Porto Alegre Veja outras cidades
Previsão para: 02/9
Máxima:18º C Mínima:16º C Umidade:63%
Temperatura Agora 16.2º C
Enquete
Enquete
Notícias

 | 27/08/2008 09h38min

Estudo indica que brasileiro recicla 0,83% do lixo produzido em um ano

Brasil tem mais de 700 mil catadores, segundo levantamento feito em 247 municípios

Enquanto cada brasileiro produz em média 335,8 kg de lixo sólido anualmente (920 grama por dia), a quantidade de lixo reciclável que é recuperada, seja na coleta seletiva seja por catadores, chega apenas a 2,8 kg por ano, por habitante – 0,83% do total produzido. Os dados são do Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos/2006, feito pelo Sistema Nacional de Informação sobre Saneamento (SNIS), que vai ser divulgado nessa quarta pelo Ministério das Cidades.

O diagnóstico do SNIS obteve informações de 247 municípios, que concentram quase 50% da população brasileira. Nessas cidades, 90% dos habitantes são atendidos pelo serviço de coleta de resíduos sólidos, lixo produzido em casa e na indústria que não é enviado para o esgoto.

– É um volume baixo em relação ao que é produzido porque, na verdade, a coleta seletiva atinge um percentual só do volume produzido – afirmou o secretário nacional de Saneamento Ambiental, Leodegar Tiscoski.

Apesar do baixo índice de coleta seletiva, o secretário disse que a quantidade de lixo produzido pode ser considerada boa.

– Só que nos países desenvolvidos, esses volumes tendem a diminuir, uma vez que já existe uma política de redução da produção de lixo, ou seja, tanto nos domicílios quanto na indústria, o que é levado para a coleta é um volume menor, porque há uma redução na produção e há  uma seleção prévia desse lixo, do que não vai para o aterro, mas para a reciclagem.

A coleta seletiva formal, feita com caminhões adequados, está presente em 55,9% dos municípios pesquisados, enquanto catadores de lixo trabalham em 83% dos casos. Entre os principais materiais coletados estão papel e papelão (44,3%), plásticos (27,6%) e metais (15,3%).

Atualmente, segundo o secretário, existem no Brasil mais de 700 mil catadores de lixo reciclável. Cerca de 53% dos catadores dos municípios pesquisados estão ligados a alguma cooperativa. Em 160 cidades, “foram destinados [pela secretaria] R$ 50 milhões para a construção de galpões de catadores, um programa que visa a organizar essa classe”, para dar condições de trabalho melhores nas cooperativas e associações, informou Tiscoski.

Na opinião do secretário, são necessárias ações tanto para conscientizar a população sobre a importância da separação do lixo em casa quanto para instrumentalizar a coleta seletiva nos municípios.

– De nada adianta ter uma seleção no domicílio se é tudo jogado dentro de um volume só, não recebe nenhum tratamento; o transporte e a destinação têm que ser separados – acrescentou.

AGÊNCIA BRASIL