clicRBS
Nova busca - outros
 

eleições 2008

 

 
29 de maio de 2022
 

Eleições 2008 | 05/10/2008 | 23h40min

Fogaça e Rosário disputam apoio de Manuela no segundo turno

Candidata ficou em terceiro lugar e teve 120 mil votos

Leandro Fontoura | leandro.fontoura@zerohora.com.br

O primeiro alvo de disputa entre José Fogaça (PMDB) e Maria do Rosário (PT) nas alianças para o segundo turno das eleições de Porto Alegre será a candidata Manuela D'Ávila (PC do B). O resultado de hoje mostrou que Manuela teve 120 mil votos.

Rosário acena com a história em comum, muitas eleições travadas na mesma trincheira e a parceira dos dois partidos no governo federal. Fogaça estimula as fissuras e os desgastes surgidos na relação entre petistas e comunistas para cativar o coração e os votos de Manuela.

A sedução de Fogaça

A coordenação de campanha do prefeito Fogaça vai procurar Manuela a partir de hoje com uma certeza: se a relação entre comunistas e petistas fosse inviolável, os dois partidos não teriam remado em direções diferentes na primeira etapa da eleição.

Para garantir o apoio de Manuela, a equipe do peemedebista deve acenar com uma negociação em torno das propostas da comunista para a área do desenvolvimento. Os projetos para o setor foram centrais na campanha do PC do B.

A equipe de Fogaça deverá procurar também o deputado federal Beto Albuquerque (PSB), que coordenou a campanha de Manuela. Como o PC do B, o PSB também é um partido da esfera de influência do PT que nesta campanha optou por outro caminho. As negociações com PC do B e PSB, por conta disso, serão a mais difíceis para Fogaça.

A sedução de Rosário

O plano do PT de ter Manuela D´Ávila (PC do B) no palanque do segundo turno vem desde o início da campanha. Tanto que, apesar de cobranças de uma postura mais firme contra a comunista nos programas de TV, a coordenação de campanha preferiu restringir os ataques à coligação com o PPS, partido do candidato a vice, Berfran Rosado.

Vídeo mostra análise sobre o segundo turno:



Mas o desejo agora é buscar uma aliança de oposição a Fogaça, com o tradicional parceiro PC do B, além do PSOL e do PSTU.

O deputado estadual Raul Pont lembrou que PC do B está no governo Lula e que a ex-deputada Jussara Cony dirige Grupo Hospitalar Conceição, em nome do governo Lula, apontando que os caminhos estão abertos para o diálogo.

Manuela alimenta esperanças

Ao reconhecer a derrota, ela deixou claro que a sua coligação, com sete partidos incluindo o PPS, têm autonomia. Como representa um nova força política em Porto Alegre, o grupo deve agir junto. Primeiro, cada sigla se reunirá internamente. Depois disso, tomarão uma posição conjunta.

Clique e veja opinião de Manuela sobre o resultado do pleito:



— Aliança política tem pouco a ver com natureza. Não acredito em alinhamento automático. A nossa posição sobre o segundo turno não está definida — repetiu Manuela.

Coube ao presidente do PPS da Capital, Paulo Odone, fazer o discurso mais duro em relação ao PT após afirmar que a coligação com Manuela persistirá no futuro:

— O PT é arrogante e não admite ser coadjuvante. No Rio Grande do Sul, o PT parece que não aprendeu nada com Lula, que se tornou maior do que o partido. Hoje, existe uma distância imensa entre o PPS e a arrogância de Rosário e uma proximidade grande dessa aliança com Manuela.

 

 

Montagem sobre fotos de Daniel Marenco e Diego Vara / 

Candidatos comemoram resultado das urnas

Comente esta matéria

Notícias Relacionadas

Confira no eleicoes2008.com.br outras notícias relacionadas com esta matéria

Grupo RBS

Dúvidas Freqüentes | Fale conosco | Anuncie - © 2000-2008 RBS Internet e Inovação - Todos os direitos reservados.