clicRBS
Nova busca - outros
 

Diário de Santa Maria

07/11/2009 | N° 2338AlertaVoltar para a edição de hoje

REPORTAGEM

O Twitter é nosso

Criada para as pessoas contarem o que estão fazendo no momento, a rede social virou um celeiro de informação e entretenimento

BiaZasso Todo mundo no Twitter!!! Ou quase todo mundo. Isso rende uma matéria no MIX. Vamos nessa! #mixtwitter

Quer contar o que está fazendo ou pensando? Ficar por dentro das principais notícias? Achou algo legal na Internet e quer compartilhar? Quer saber e espalhar o que pensam e fazem as celebridades? Então, respire fundo, pois você tem 140 caracteres para “piar” isso. Pelo menos esse é o seu espaço no Twitter (o nome refere-se ao som que os pássaros fazem, algo como piar, em português) para espalhar as suas (e as dos outros) ideias para o mundo. Lançada em 2006 pelos americanos Jack Dorsey, Biz Estone e Evan Williams, essa rede social tem atraído a atenção do brasileiros. Músicos, atores, pesquisadores, jornalistas, estudantes e todos os tipos de pessoas trocam mensagens de, no máximo, 140 toques sobre os mais diversos assuntos.

A ideia do Twitter começou a ser elaborada em 2000. O site foi lançado com uma pergunta no topo: “O que você está fazendo?”. Servia como uma espécie de motivação para os primeiros usuários criarem seus tweets (como são chamadas as mensagens do site).

Mas hoje, três anos após o seu lançamento, o Twitter deixou de ser apenas uma ferramenta de troca de ideias para ser um verdadeiro celeiro de informação e entretenimento. Agora, os usuários estão criando novos modos e objetivos de seu uso, e o microblog vive seu momento de maior popularidade.

Prova disso são os atuais e constantes congestionamentos na página. Ainda assim, há quem não faça ideia do que ele seja. E, para completar, é mais uma rede social na Internet ao lado de Orkut, MSN, Facebook, Myspace, entre outros.

BiaZasso Começar matéria: que raios é Twitter? Difícil explicar, mas não impossível #twitterexplicar

Mas, afinal, como funciona o Twitter? Se essa pergunta fosse respondida em um tweet, é provável que poucos entenderiam a resposta. 140 caracteres são muito pouco para explicar o que, a princípio, parece muito fácil:

BiaZasso Não tem como falar de Twitter sem @alexprimo. #entrevistaepesquisa

– A função do Twitter seria apenas trocar mensagens não fossem os softwares para enviar fotos e links, por exemplo. Graças a eles, o site é recheado de ferramentas que ajudam os tweets a variar o seu conteúdo – explica Alex Primo, pesquisador de cibercultura, professor da UFRGS e tweeter declarado.

Apesar de usar o site diariamente, Primo não teve uma paixão de início.

– No começo, não gostei. Mas, aos poucos, a gente acaba descobrindo várias ferramentas. Ele é rápido, e esse imediatismo te permite várias possibilidades de uso – conclui Primo, que comanda o twitter.com/alexprimo e o blog www.interney.net/blogs/alexprimo.

Ele inventou um projeto-crítica. É o Twitter Generator, um programa que cria mensagens para serem postadas. O que era uma brincadeira para fazer as pessoas pensarem sobre a quantidade imensa de cultura inútil postada no Twitter tornou-se um sucesso. Isso pode ser fruto da função inicial do microblog, que tem propósitos parecidos com os de uma mesa de bar: falar e falar.

bianca.zasso@diariosm.com.br
paulo.chagas@diariosm.com.br

TEXTO BIANCA ZASSO @BIAZASSO E DESIGN PAULO CHAGAS @DESCONTENTE

Grupo RBSDúvidas Frequentes| Fale Conosco | Anuncie - © 2000-2014 RBS Internet e Inovação - Todos os direitos reservados.