Buscar

canal rural

24 de setembro de 2017
 

Agronegócio | 14/03/2009 | 15h30min

Bioplástico pode ser fonte de riqueza do agronegócio

Produto pode substituir os plásticos à base de petróleo

Os bioplásticos, feitos a partir de mandioca, cana-de-açúcar, milho e batata, podem substituir os plásticos à base de petróleo nos próximos 20 anos. A produção desses materiais também deve fortalecer a atividade de agricultores do país com a criação de mais um nicho de mercado.

"Da mesma forma que hoje temos usinas de biodiesel, teríamos agroindústrias de bioplástico. É importante destacar que não se trata de uma indústria que irá competir com os alimentos. Por exemplo, a mandioca usada para novos materiais é a brava, que não serve para o consumo. Além disso, haveria aumento de produtividade e ganhos para o agricultor", explica o empresário João Carlos de Godoy Moreira, da Biomater Eco-materiais, empresa incubada no Centro de Desenvolvimento de Indústria Nascentes (Cedin) em São Carlos (SP), que já produz bioplástico.

A substituição do plástico sintético por biodegradáveis é lucrativa também para o meio ambiente. Para cada quilo de plástico produzido com petróleo, há a emissão de dois a quatro quilos de carbono. Ao contrário, na produção de bioplástico, cada quilo do produto seqüestra de quatro a seis quilos de carbono da atmosfera.

As vantagens continuam: enquanto o plástico sintético demora de 200 a 400 anos para se degradar, os materiais e embalagens biodegradáveis e compostáveis se decompõem em até 18 semanas. Os biodegradáveis também se transformam em adubo juntamente com o lixo orgânico.

Mercado

Com os biomateriais, é possível confeccionar embalagens e artigos para diversos segmentos da economia, como alimentos, cosméticos, médico-farmacêutico, automobilístico, eletroeletrônicos, agricultura, têxtil. "Um uso interessante é como embalagem de produtos orgânicos. Uma forma de completar o conceito de produto benéfico ao meio ambiente", diz.

Segundo João Carlos, esse é um mercado que deve ser considerado por agricultores e indústrias. Trata-se de uma indústria que ainda está na fase da infância. Há 300 empresas no mundo, e a produção chega a 500 mil toneladas ao ano. "É um mercado ainda pequeno quando comparado com as 200 milhões de toneladas ao ano de plástico sintético produzidos no mundo por ano", destaca. Só o Brasil produz oito milhões de toneladas de plástico derivados do petróleo no ano.

No Brasil há cinco empresas que já produzem biodegradáveis, e está em processo de formação a Associação Brasileira da Indústria de Polímeros Biodegradáveis Compostáveis (Abicom). "A idéia da associação é trabalhar em políticas públicas para que sejam criadas legislação, políticas governamentais para apoio à pesquisa e o desenvolvimento desse mercado", completa.

O assunto será tema de palestra durante um evento interno do Sebrae: o 2º Seminário Inovação no Agronegócio, que será realizado em Brasília nos dias 18 a 20 de março.

 

AGÊNCIA SEBRAE

 

 

 

Entretenimento

Grandes Fazendas

Haras ZD cria cavalos
raça quarto de milha

Criadores

O desbravador
do sertão verde

Mundo 4x4

Jipeiros do Brasil
na Patagônia

Gráficos

Cortes bovinos

Os principais cortes de carne bovina

Cortes suínos

Os principais cortes de carne suína

Cortes de frango

Os principais cortes de frango

Grupo RBSFale Conosco | Anuncie - © 2000-2017 RBS Internet e Inovação - Todos os direitos reservados.